Notícias

Câmara Municipal de Tucuruí vai avaliar pedido de cassação de mandato do atual prefeito

10/11/2017

 

Câmara Municipal de Tucuruí (CMT) vai analisar um pedido de cassação do atual prefeito, Arthur Brito. A mãe dele está presa, suspeita de planejar o assassinato do prefeito anterior, Jones William. O vereador Weber de Silva Galvão apresentou pedido de afastamento e cassação do mandato do político.

O documento afirma que há "indícios suficientes da existência de interesse do senhor Arthur na morte do prefeito Jones William". O setor jurídico da Câmara vai analisar e decidir se o material será votado na próxima sessão.

A população protestou do lado de fora da CMT quando o vereador Lucas Brito, irmão do atual prefeito, deixou o prédio.

G1 tenta contato com a assessoria do prefeito Arthur Brito sobre o pedido de cassação.

Clima de incertezas

Nas ruas de Tucuruí, policiais enviados de Belém reforçam a segurança. O clima de instabilidade política vem prejuducando a economia da cidade. Nas ruas do centro comercial se vê pouco movimento nos últimos três meses.

“Todo mundo preocupado, todo mundo assustado, querendo uma resposta do que está acontecendo”, comenta Nei Américo, locutor de rua.

Prisões

O clima começou depois da operação da Polícia Civil que cumpriu 24 mandados judiciais referentes a investigação da morte do prefeito Jones William, em julho deste ano. Um dos mandados decretou a prisão para Josilene Silva Brito, mãe do atual prefeito de Tucuruí, suspeita de planejar o crime. Ela foi transferida e segue presa no Centro de Recuperação Feminino (CRF), em Belém.

O prefeito Jones William foi morto quando vistoriava uma obra tapa buracos na estrada de acesso ao aeroporto de Tucuruí. Ele foi atingido por oito disparos. Chegou a ser socorrido mas morreu a caminho do hospital.

Em setembro, Bruno Marcos, suspeito de ser o atirador, foi preso no aeroporto de Belém. Em outubro a Polícia prendeu Paulo Ricardo Oliveira, que teria confessado o crime e outros dois suspeitos que tiveram mandados de prisão decretados por suspeita de envolvimento no caso.

 

Fonte: G1 Pará

Comentários

Telefone

+55 (93) 3515-4899

+55 (93) 99185-4664

Enquete



Olá Mundo!

Sim
Não
talves

Solicite sua música

Solicitar

Facebook

Newsletter

Inscrever